News & Publications
<SPAN class=genHeading>News & Publications</SPAN>
Postelection Statement on Mozambique Elections, Dec. 4, 2004 (English and Portuguese)
4 Dec 2004


FOR IMMEDIATE RELEASE

CONTACT: Nicolás Bravo
In Maputo, cell 082-308-004

The Carter Center was invited by the National Election Commission (CNE) and welcomed by all major political parties to observe the Dec. 1 – 2 elections. The Center observed the 1999 and 2003 elections, and has been engaged in initiatives in Mozambique, including support for the Agenda 2025 national consensus-building initiative and agriculture production technologies through SG2000.

Under the leadership of former U.S. President Jimmy Carter, his wife, Rosalynn, and former President of Benin Nicéphore Soglo, the Center deployed 60 international observers from 23 countries to 11 provinces for the elections. The observers met with local officials, campaign teams, and domestic observers, and observed the voting, counting, and initial tabulation. The delegation leadership met in Maputo with President Joaquim Chissano, all of presidential candidates except Carlos Reis, as well as members of the CNE, Technical Secretariat for Electoral Administration, and the Constitutional Council, leaders of nonpartisan domestic election monitoring organizations, and others. We would like to extend our thanks to all of the many other individuals and organizations who welcomed our observation efforts and took the time to facilitate our understanding of Mozambique's politics and electoral process.

Assessment of the Election

The Carter Center congratulates the people and leaders of Mozambique for the conduct of the presidential and legislative elections. To date, with a few exceptions, our assessment of Mozambique's elections is positive. We are especially pleased about the peaceful atmosphere that prevailed on election day and the calm and orderly manner in which the poll was conducted in most places.

This election marks another important step in Mozambique's ongoing democratization. Because the tabulation and verification of final results are ongoing, it is too early to evaluate the election as a whole. The Center will continue to observe these processes in the days and weeks ahead and will maintain its long-term monitoring through the announcement of final results. After the conclusion of the entire electoral process, the Center will issue a more comprehensive report.

The Polling Process

Carter Center observers visited nearly 1,000 polling stations in all 10 provinces and Maputo. Our observers generally found the polling stations they visited were well organized, functioned effectively, were fully staffed, and had necessary election materials. We were impressed especially with the thorough and consistent application of the polling procedure and the significant number of women polling officials. However, we noted the distribution of polling stations in some districts resulted in some voters having to travel long distances to get to the polls.

Previously, The Carter Center raised concerns about the accuracy of the voter register, with many obsolete names still listed. Although no systematic problems regarding the voter register were apparent on election day, the number of registered voters per polling station should have been made available to political parties and others prior to election day.

The opening and closing process was well managed. Our observers found the counting procedures were correctly applied with meticulous attention to detail. However, there seemed to be some unnecessary voiding of ballots, and additional training might ensure more consistent determination of valid and invalid ballots. Transparency in the counting process has been strengthened by the welcome introduction of providing copies of the final tally sheets to party agents.

Preliminary results indicate low voter turnout. Although it is too early to explain this worrying trend, the Center hopes that election authorities, political parties, and others will encourage greater political participation and build public confidence in the effectiveness of the electoral process.

Election Observers and Candidate Witnesses

The Carter Center urges electoral authorities to foster transparency and credibility of results by providing nonpartisan domestic and international observers full access to ongoing tabulation of results and confirming of reasons for any invalidation of votes cast.

Past experience in Mozambique and elsewhere has demonstrated the significant contribution that domestic observers and effective candidate witnesses can make to the credibility and integrity of the election process. We commend the important work and commitment of the member organizations participating in the Electoral Observatory.

In light of the controversies about the final election results in 1999, domestic observers have correctly placed additional emphasis on counting and consolidating the results in this election. The quick count conducted by the Electoral Observatory will provide an independent check of tabulation and results, with a small margin of possible error.

Carter Center observers were generally well received by election officials, political party representatives, and observers. We sought to conduct our observations without interference in the normal conduct of the polls and found presiding officers were willing to answer our questions regarding the process. Unfortunately, several Carter Center observer teams were made to feel unwelcome by the Tete provincial election commission. The presence of international observers from many organizations, including the European Union, Commonwealth, Southern Africa Development Community Parliamentary Forum, Electoral Institute of Southern Africa, and others indicates an international interest in Mozambique that should be fostered.

Our observers reported that more than one party or candidate agent was present at most polling stations. Party agents have a direct interest in ensuring the integrity of the polling process, and their efforts should continue to receive support. In some districts, however, Frelimo tended to be the only party effectively represented at the polls. Elsewhere, some opposition Renamo party agents had difficulty exercising their right to remain with the ballot boxes overnight on Dec. 1.

Police and security

The Center is concerned about several incidents that resulted in the arrest of Renamo party agents and supporters in Angoche. We also received reports of police bias in favor of Frelimo during the election campaign and on the election days. In some cases, an excessive number of ballots were voided when the will of the voters seemed obvious. The Carter Center hopes future political activity in Mozambique will enjoy more secure, tolerant, and impartial enforcement of the law with the guidance of an effectively applied code of conduct for political parties.

Conclusion

The electoral process is not complete, and the Center will continue to observe the ongoing tabulation of results at provincial and national levels. The Center encourages election officials to ensure every effort will be made to enable transparency in the official results process. It is important that there are justified reasons for the invalidation of any ballots or tally sheets. The establishment of the Constitutional Council and its mandate to review the final official results provides an important reassurance that the concerns of all participants in the elections will be addressed.

The Carter Center trusts the operation of the CNE, Constitutional Council, and Mozambique's other electoral institutions will ensure the choice of the Mozambican people is reflected in the final results.


####


The Carter Center was founded in 1982 by former U.S. President Jimmy Carter and his wife, Rosalynn, in partnership with Emory University, to advance peace and health worldwide. A not-for-profit, nongovernmental organization, the Center has helped to improve life for people in more than 65 countries by resolving conflicts; advancing democracy, human rights, and economic opportunity; preventing diseases; improving mental health care; and teaching farmers to
increase crop production. Visit: www.cartercenter.org to learn more about The Carter Center.



PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA
Sábado, 4 de Dezembro de 2004

CONTACTO: Nicolás Bravo
Em Maputo, celular 082-308 004

DECLARAÇÃO PÓS-ELEITORAL SOBRE AS ELEIÇÕES DE 4 DE DEZEMBRO DE 2004 EM MOÇAMBIQUE

O Carter Center foi convidado pela Comissão Nacional de Eleições (CNE) e bem acolhido pelos principais partidos políticos para observar as eleições de 1 e 2 de Dezembro, e tem estado envolvido em iniciativas em Moçambique, incluindo o apoio à iniciativa de edificação do consenso nacional Agenda 2025 e às tecnologias de produção agrícola através do SG2000.

Sob a liderança do ex-Presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter, da sua mulher Rosalynn, e do ex-Presidente do Benim Nicéphore Soglo, o Centro colocou 60 observadores internacionais, de 23 países, em 11 províncias, para as eleições. Os observadores encontraram-se com quadros locais, equipas de campanha e observadores nacionais, e observaram a votação, a contagem e o apuramento inicial. Os líderes da delegação encontraram-se em Maputo com o Presidente Joaquim Chissano, com todos os candidatos presidenciais à excepção de Carlos Reis, e com elementos da CNE, do Secretariado Técnico de Administração Eleitoral, e do Conselho Constitucional, com líderes de organizações nacionais não partidárias de monitorização eleitoral, entre outros. Gostaríamos de agradecer às muitas outras pessoas e organizações que acolheram os nossos esforços de observação e despenderam o seu tempo para facilitar o nosso
entendimento da política e processo eleitoral em Moçambique.

Avaliação das Eleições

O Carter Center felicita o povo e os líderes de Moçambique pela realização das eleições presidenciais e legislativas. Até ao momento, com poucas excepções, a nossa avaliação das eleições em Moçambique é positiva. Estamos particularmente satisfeitos pela atmosfera pacífica que prevaleceu nos dias da eleição e pela forma calma e ordeira como decorreu a votação na maior parte dos locais.

Estas eleições marcam mais um importante passo da democratização em curso em Moçambique. Uma vez que o apuramento e a verificação dos resultados finais estão ainda em curso, é muito cedo para fazer uma avaliação global das eleições. O Centro continuará a observar o processo nos dias e semanas que se seguem e manterá a sua monitorização de longo prazo até à comunicação dos resultados finais. O Centro produzirá um relatório mais exaustivo após a conclusão de todo o processo eleitoral.

O Processo de Votação

Os observadores do Carter Center visitaram perto de 1.000 assembleias de voto, nas 10 províncias e em Maputo. De uma forma geral, os nossos observadores encontraram as assembleias de voto visitadas bem organizadas, a funcionar eficazmente, com todo o seu pessoal e os materiais de votação necessários. Ficámos particularmente impressionados com a aplicação metódica e consistente dos procedimentos de votação e com o substancial número de mulheres como membros das mesas. Não obstante, notámos que a distribuição das assembleias de voto em alguns distritos obrigou alguns eleitores a percorrerem longas distâncias para chegar às mesas.

Já anteriormente o Carter Center tinha levantado dúvidas quanto à precisão dos cadernos eleitorais, com a inclusão de muitos nomes obsoletos. Embora não tenham sido aparentes problemas sistemáticos relativos aos cadernos eleitorais
nos dias da votação, deveria ser fornecida antecipadamente aos partidos políticos e outras entidades uma lista completa do número de eleitores inscritos por assembleia de voto.

O processo de abertura e encerramento foi bem gerido. Os nossos observadores foram de opinião que os procedimentos de contagem foram correctamente aplicados, com uma atenção meticulosa ao detalhe. Todavia, parece ter havido alguma anulação desnecessária de votos, e mais formação adicional poderia ter assegurado uma identificação mais consistente dos votos válidos e nulos. A transparência do processo de contagem ficou reforçada pela bem acolhida disponibilização de cópias dos editais finais aos delegados partidários.

Os resultados preliminares indicam uma preocupante tendência para uma baixa afluência às urnas. Embora os resultados finais não tenham sido divulgados e seja demasiado cedo para explicar esta aparente tendência, o Centro espera que as autoridades eleitorais, os partidos políticos e outros explorem formas de encorajar uma maior participação política e edificar a confiança pública na eficácia do processo eleitoral.

Observadores Eleitorais e Delegados dos Candidatos

O Carter Center exorta as autoridades a promover a transparência e a credibilidade dos resultados, proporcionando aos observadores nacionais e internacionais não partidários livre acesso ao apuramento dos resultados em curso, e confirmando os motivos da anulação de votos expressos.

A experiência anterior em Moçambique e em outros locais tem demonstrado a contribuição significativa que os observadores nacionais não partidários e os delegados dos candidatos podem dar à credibilidade e integridade do processo eleitoral. Louvamos o importante trabalho e o empenho das organizações-membros que participam no Observatório Eleitoral.

À luz da controvérsia em torno da contagem dos votos e consolidação dos resultados em 1999, os observadores domésticos, apropriadamente, deram ênfase acrescida aos processos de contagem e consolidação de resultados destas eleições. A contagem rápida realizada pelo Observatório Eleitoral irá oferecer uma verificação independente do apuramento dos resultados, com uma pequena margem de erro possível.

Em geral, os observadores do Carter Center foram bem recebidos pelos quadros eleitorais, representantes dos partidos políticos e observadores. Procurámos realizar as nossas observações sem interferir no curso normal da votação e verificámos que os presidentes das assembleias estavam prontos a responder às nossas perguntas relativas ao processo. Infelizmente, várias equipas de observadores do Carter Center foram mal acolhidas pela comissão eleitoral provincial de Tete. A presença de observadores internacionais de muitas organizações, incluindo a União Europeia, a Commonwealth, o Fórum Parlamentar da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral, o Instituto Eleitoral da África Austral e outras, constitui uma indicação do interesse internacional por Moçambique, que deve ser promovido e continuado.

Os nossos observadores relataram a presença de mais de um delegado partidário ou de candidatura na maior parte das assembleias de voto. Os delegados dos partidos têm interesse directo em garantir a integridade do processo de votação, e os seus esforços devem continuar a ser apoiados. Porém, em alguns distritos, verificou-se uma tendência de a Frelimo ser o único partido com uma representação efectiva nas assembleias de voto. Em outros locais, alguns delegados partidários da Renamo tiveram dificuldade de exercer o seu direito de permanecer junto às urnas de voto durante a noite de 1 de Dezembro.

Polícia e segurança

O Centro manifesta preocupação com vários incidentes que resultaram na detenção de agentes partidários e apoiantes da Renamo em Angoche. Recebemos também relatos de favorecimento policial à Frelimo durante a campanha eleitoral e nos dias da votação. Em alguns casos, foi anulado um número excessivo de votos quando a vontade do eleitor parecia óbvia. O Carter Center espera que a actividade política futura em Moçambique possa decorrer em condições de maior segurança, tolerância e aplicação imparcial da lei, orientada por um código de conduta para os partidos políticos que seja efectivamente cumprido.

Conclusão

O processo eleitoral não está ainda totalmente concluído e o Centro continuará a observar o apuramento em curso dos resultados aos níveis provincial e nacional. O Centro encoraja os quadros eleitorais a garantirem que serão feitos todos os esforços para dar transparência ao processo dos resultados oficiais. É importante que existam motivos justificados para a anulação de boletins de voto e de editais. A criação do Conselho Constitucional e o mandato deste para rever os resultados oficiais constitui uma garantia importante de que as preocupações de todos os participantes nas eleições venham a ser consideradas.

O Carter Center acredita que o funcionamento da CNE, do Conselho Constitucional e das outras instituições eleitorais de Moçambique irá assegurar que a escolha do povo Moçambicano é reflectida nos resultados finais.

####

O Carter Center foi fundado em 1982 pelo ex-Presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter e a sua mulher, Rosalynn, em parceria com a Universidade Emory, para promover a paz e a saúde em todo o mundo. Organização não governamental sem fins lucrativos, o Centro tem ajudado a melhorar a vida das pessoas em mais de 65 países, resolvendo conflitos, promovendo a democracia, os direitos humanos e as oportunidades económicas, prevenindo doenças, melhorando os cuidados de saúde, e ensinando os agricultores a melhorar a produção agrícola. Para saber mais sobre o Carter Center visite o portal www.cartercenter.org.

  Please leave this field empty