News & Publications
<SPAN class=genHeading>News & Publications</SPAN>
21 Dec 2004


FOR IMMEDIATE RELEASE

CONTACT: Maputo Field Office
+ 258 - 1 - 497949.

Continuing its observation of the Dec. 1-2 presidential and legislative elections, The Carter Center has monitored the tabulation of results in provincial capitals and the reclassification of invalid votes at the National Elections Commission (CNE) in Maputo. The Center has followed several issues since the election days that were of concern, including the arrest of Renamo representatives in the Manica, Niassa, and Nampula provinces, delayed poll openings in rural areas of Zambezia, and low voter turnout. The Center will maintain its presence in Mozambique until the conclusion of the elections and then will publish a comprehensive report.

The Carter Center is very concerned about a number of irregularities observed during the provincial tabulation, including polling station tally sheets results lacking credibility, problems with the tabulation software, mismatched numbers of polling stations and tally sheets, and mistrust between political party representatives in the provincial Technical Secretariat for Election Administration (STAE). No province submitted results by the legal deadline, and the Center found it difficult to acquire clear and reliable information on the progress of tabulation. These and other concerns provide evidence of serious weaknesses in Mozambique's vote tabulation, and as a result, the Center cannot verify the accuracy of the provincial counting process at this time.

The CNE reviews rejected tally sheets sent to Maputo from the provinces in a closed plenary session. Former U.S. President and Carter Center Chair Jimmy Carter has previously asked the CNE to maintain a clear record of reasons for the rejection or acceptance of these tally sheets and to allow nonpartisan observers to examine the rejected tallies. The Center repeats its request for full observer access to this record to contribute to the transparency and credibility of the final results process.

The Center was impressed by the generally peaceful postelection environment and the genuine commitment of most Mozambicans to the legal requirements of vote tabulation. Although the Center does not expect these irregularities to alter the overall outcome of the presidential election, they do undermine the credibility of Mozambique's electoral authorities. In addition, any errors in the tabulation of legislative election results could lead to the incorrect distribution of seats. The Center is confident the findings of the parallel vote tabulation carried out by the domestic observer groups in the Electoral Observatory serve as a useful register against which to assess the overall election results.

Provincial Tabulation

Carter Center observers generally were granted access to review the entry of polling station results at computer terminals in the Provincial Electoral Commissions, although this access was uneven, and in one province, police and electoral officials obstructed the Center's observer. In another province, only one computer terminal was available to observers, and district results were not available for review. Also of importance, observers were unable to examine rejected tally sheets in all provinces.

Tabulation was delayed in all provinces, and no province met the legal requirement of submission of results to the CNE by Dec. 9. A variety of reasons were advanced for the delays, including late reception of material from districts, tabulation software flaws, and misunderstandings between political party representatives. Provincial counting has been characterized by political mistrust, and in some provinces, Renamo representatives to the STAE obstructed the opening of warehouses with election materials.

In a number of cases, Carter Center observers found tally sheets with unrealistically high voter turnout, including multiple instances of polling stations in Niassa and Tete recording a 100 percent turnout and more than 90 percent support for Frelimo. Given the low turnout nationwide (ranging from 30-40 percent), ballot boxes appear to be stuffed at polling stations in the Tete districts of Changara, Chifunde, and Tsangano, as well as in the Niassa districts of Metarica and Marrupa, and in the Gaza district of Chicualacuala. In some of these areas, Carter Center observers had reported an intimidating environment during the campaigns, and opposition party agents had problems in getting credentials.

A final polling station list with registration book numbers and numbers of registered voters was never made available to political parties or observers. This list, described by the CNE as a "state secret," is essential because it determines the number and location of polling stations and should coincide with the database used for the tabulation software. The reasons for such secrecy are not clear, and it is still unknown how many registered voters or physical polling stations existed on election day. Errors in the software resulted in the generation of extra tally sheets, creating confusion for political parties and election observers. According to STAE, the "phantom tally sheets" were produced when data were entered from polling stations with more than one voter register book. It appears that STAE has taken steps to address this problem, but its existence constitutes a fertile ground for allegations of fraud. Following the 1999 and 2003 elections, The Carter Center recommended timely production of credible and secure tabulation software.

As a result of these and other difficulties in receiving clear and full information, the Center is unable to verify the accuracy of the provincial counting process at this time.

National Tabulation

The Center's observers had adequate access to the reclassification of invalid ballots at CNE headquarters, although on some occasions it was limited to specific times during the day. All invalid ballots are sent to the CNE in Maputo for reclassification where CNE representatives from Frelimo and Renamo, working in teams of two, examine each ballot paper. The Center noted a striking incidence of invalid ballots from Niassa and Tete provinces with a consistently applied pattern of additional ink marks that were mostly seen on ballots that would have otherwise been for Renamo. Necessarily, both party representatives present at the reclassification room considered those ballots void.

The Center is aware that Renamo's leadership has announced it will not accept the results. Although final results were due Dec. 17, the Center encourages all candidates and their supporters to continue to participate in a climate of dialogue and to use legal channels for the resolution of any election disputes that may arise following the CNE's announcement. The Center also welcomes the positive involvement of nonpartisan Mozambican civil society organizations, such as members of the Electoral Observatory, and encourages their assessment of the tabulation and results process. As noted in previous statements, the Center anticipates the Constitutional Council will ensure that valid concerns with the conduct of the elections will be addressed properly.

he Carter Center was founded in 1982 by former U.S. President Jimmy Carter and his wife, Rosalynn, in partnership with Emory University, to advance peace and health worldwide. A not-for-profit, nongovernmental organization, the Center has helped to improve life for people in more than 65 countries by resolving conflicts; advancing democracy, human rights, and economic opportunity; preventing diseases; improving mental health care; and teaching farmers to increase crop production. Please visit www.cartercenter.org to learn more about The Carter Center.



Terça feira, 21 de Dezembro de 2004
PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA

CONTACTO: Escritório em Maputo
+ 258 - 1 - 497949


DECLARAÇÃO POS ELEITORAL SOBRE AS ELEIÇOES DE MOÇAMBIQUE, 21 DE DEZEMBRO DE 2004.

Na continuação da observação das eleições presidenciais e legislativas moçambicanas realizadas a 1 e 2 de Dezembro, o Carter Center tem monitorizado o apuramento dos resultados nas capitais provinciais e a reclassificação dos votos inválidos na Comissão Nacional de Eleições (CNE) em Maputo. O Carter Center tem acompanhado várias questões desde os dias das eleições que são matéria de preocupação, incluindo a detenção de representantes da Renamo-UE nas províncias de Manica, Niassa e Nampula, os atrasos verificados na abertura das assembleias de voto na Zambézia e a fraca afluência dos eleitores. Até que todo o processo chegue ao fim, o Carter Center continuará activo em Moçambique e, nessa altura, irá a publicar um relatório abrangente.

O Carter Center está muito preocupado com o número de irregularidades observado durante o apuramento provincial, incluindo resultados pouco credíveis em editais das assembleias de voto, problemas com o software, números das assembleias de voto que não conferem com os editais e a falta de confiança entre os representantes dos partidos políticos no Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE) provincial. Nenhuma província cumpriu o requisito legal de apresentação dos resultados, e o Centro achou difícil obter informações claras sobre o progresso do apuramento. Em resultado destas e de outras dificuldades de receber informação clara e completa, o Carter Center não pode certificar a exactidão do processo de contagem provincial neste momento.

A CNE procede à revisão dos editais rejeitados numa sessão plenária à porta fechada. O antigo Presidente e Chefe do Centro Carter pediu anteriormente à CNE que mantivesse um registro claro das razões para a rejeição ou aceitação destes editais e que permitisse que observadores não partidários examinassem os editais rejeitados. O Carter Center repete o seu pedido de acesso dos observadores a este registro para contribuir para a transparência e credibilidade dos resultados finais do processo.

O Carter Center ficou impressionado com o ambiente pós-eleitoral na generalidade pacífico, bem como pelo compromisso genuíno da maior parte dos moçambicanos em relação aos requisitos legais do apuramento dos votos. Embora não se preveja que as irregularidades alterem o resultado global das eleições presidenciais, elas minam a credibilidade das autoridades eleitorais moçambicanas. Para além disso, quaisquer erros no apuramento dos resultados das eleições legislativas podem conduzir a uma distribuição incorrecta dos assentos. A confiança do Carter Center nos resultados globais das eleições é corroborada pelos resultados do apuramento paralelo efectuado por grupos de observadores nacionais congregados no Observatório Eleitoral.

Apuramento Provincial

Os observadores do Carter Center tiveram acesso, na generalidade, à revisão da introdução dos resultados das assembleias de votos nas terminais de computadores das Comissões Provinciais de Eleições (CPEs). Contudo, este acesso não foi uniforme e, numa província, a polícia e os agentes eleitorais obstruíram o trabalho de um observador. Numa outra província, apenas uma terminal de computadores estava disponível para os observadores e os resultados distritais não estavam disponíveis. Um outro aspecto importante é que em todas as províncias os editais rejeitados não foram colocados à disposição dos observadores.

Verificou-se um atraso na contagem provincial em todas as províncias, e nenhuma província cumpriu o requisito legal de apresentação dos resultados à CNE até o 9 de Dezembro. Foi avançada uma série de razões para justificar atrasos, incluindo a recepção tardia do material dos distritos, falhas no software de apuramento e malentendidos entre os representantes dos partidos políticos. A contagem provincial foi caracterizada pela falta de confiança política e, em algumas províncias, os representantes da Renamo-UE no STAE impediram a abertura dos armazéns contendo materiais para as eleições.

Em alguns casos, os observadores do Carter Center acharam editais com uma afluência de eleitores irrealisticamente elevada, incluindo vários casos de assembleias de voto nas províncias de Niassa e Tete, que registraram afluências de 100% e mais de 90% para o partido Frelimo. Considerando a fraca afluência a nível nacional (situada entre os 30% e 40%), torna-se claro que houve enchimento das urnas nas assembleias de voto nos distritos de Changara, Chifunde e Tsangano (Tete), assim como nos distritos de Metarica e Marrupa (Niassa) e no distrito de Chicualacuala (Gaza). Em algumas destas zonas, os observadores do Carter Center reportaram um ambiente de intimidação durante as campanhas e os agentes dos partidos políticos da oposição tiveram problemas em obter credenciais.

Não chegou a ser disponibilizada aos partidos políticos, nem aos observadores, uma lista final das assembleias de voto contendo os números dos cadernos e o número dos eleitores registrados. Esta lista, descrita pela CNE como sendo um "segredo do Estado", é essencial porque determina o número e a localização das assembleias de voto e deveria coincidir com a base de dados usada para o software do apuramento. Não estão claras as razões deste "secretismo" e ainda não se conhece o número real de eleitores registrados bem como das assembleias de voto físicas que existiram no dia das eleições. Os erros no software resultaram na geração de um número adicional de editais, criando confusão aos partidos políticos e aos observadores eleitorais. De acordo com o STAE, os "editais fantasma" eram produzidos quando eram introduzidos os dados das assembleias de voto com mais do que um caderno de registro de eleitores. Parece que o STAE tomou medidas com vista a sanar este problema, mas a sua existência constitui um terreno fértil para as alegações de fraude. Após as eleições de 1999 e 2003, o Carter Center recomendou a produção atempada de um software de apuramento credível e seguro.

Apuramento Nacional

O acesso dos observadores à reclassificação foi aceitável, embora em algumas ocasiões se tenha limitado a períodos específicos durante o dia. Todos os votos inválidos são enviados à CNE em Maputo para efeitos de reclassificação, onde os representantes da CNE, da Frelimo e da Renamo-UE, a trabalharem em equipas de duas (2) pessoas, examinam cada boletim de voto. O Carter Center verificou uma incidência notória de votos inválidos das províncias de Niassa e de Tete, com um padrão constante de marcas de tinta adicionais. Estes padrões foram constatados essencialmente em boletins de voto que tinham sido para a Renamo-UE. Necessariamente, os dois representantes dos partidos presentes na sala de reclassificação consideraram esses boletins como sendo nulos.

Estamos cientes que a direcção da Renamo-UE anunciou que não irá aceitar os resultados. Embora os resultados finais devessem ter sido anunciados no dia 17 de Dezembro, o Carter Center encoraja todos os candidatos e seus apoiantes a continuarem a participar num ambiente de diálogo e que utilizem canais legais para a resolução de quaisquer divergências eleitorais que possam surgir após o anúncio da CNE. O Carter Center também saúda o envolvimento positivo das organizações não partidárias da sociedade civil moçambicana, tais como os membros do Observatório Eleitoral, e encoraja a sua avaliação do processo de apuramento dos resultados. Tal como se assinalou em declarações anteriores, o Carter Center prevê que o Conselho Constitucional irá garantir que as preocupações válidas em relação à forma como as eleições foram conduzidas sejam devidamente analisadas.

####

O Carter Center foi fundado em 1982 pelo ex- Presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter e a sua mulher, Rosalynn, em parceria com a Universidade de Emory, para promover a paz e a saúde em todo o mundo. Organização não governamental sem fins lucrativos, o Centro tem ajudado a melhorar a vida das pessoas em mais de 65 países, resolvendo conflitos, promovendo a democracia, os direitos humanos e as oportunidades económicas, prevenindo doenças, melhorando os cuidados de saúde, e ensinando os agricultores a melhorar a produção agrícola. Para saber mais sobre o Carter Center visite o portal www.cartercenter.org.

  Please leave this field empty