News & Publications
<SPAN class=genHeading>News & Publications</SPAN>
Postelection Statement on Mozambique Elections, Jan. 26, 2005 (English and Portuguese)
26 Jan 2005


FOR IMMEDIATE RELEASE

CONTACT: Nicolás Bravo
In Maputo, cell 082-308-004

The Carter Center recognizes the overall results and congratulates the elected Frelimo President Armando Emílio Guebuza. However, the Center concludes the National Elections Commission (CNE) has not administered a fair and transparent election in all parts of Mozambique. Political parties must also be held accountable since it is their representatives in the CNE and the Technical Secretariat for Election Administration (STAE) who are responsible for the overall success or failure of the elections. The Center has attempted to observe and assess as much of the verification process as possible but has been hindered by a lack of cooperation by the CNE.

The Center's previous statements following the election reported positive and peaceful election days but expressed concerns over the accuracy of the voters register, some irregularities on the polling and the tabulation process, and the fact that the list with registration book numbers of registered voters was never available to political parties or observers.

The Carter Center welcomes the Constitutional Council's announcement Jan. 19th validating the final results of the Dec. 1-2 elections. The council's announcement underlines the need to create adequate conditions for electoral observation in Mozambique. It also stresses the poor level of professionalism demonstrated by electoral authorities and the political party representatives who assumed roles in the electoral institutions.

The overall election results are not in question, as indicated by the wide margin of Frelimo's victory and confirmed by the parallel vote tabulation conducted by domestic observers. However, the problems observed by The Carter Center could have had serious consequences in a closer election. Moreover, the Center remains concerned that the Constitutional Council has validated CNE election results retaining irregularities that could have had an impact on the distribution of parliamentarian seats in some provinces. Despite former U.S. President Jimmy Carter's Dec. 3rd request to CNE President Arão Litsure that observers review rejected tally sheets and a detailed record of the reasons for their rejection, the Center and other observers have not been able to view such a record of the rejection of 699 presidential and 731 legislative tally sheets. Unless and until the CNE provides clear evidence to dispel any remaining doubts about the accuracy of official results, the Center believes the credibility of the tabulation process will remain open to question.

A comprehensive election report, including recommendations for electoral reform, is forthcoming. This is the Carter Center's fourth and final public statement on the Mozambique 2004 elections.

Background

In October 2003 the Center opened a Maputo office and monitored the November 2003 municipal elections. In partnership with the member organizations of the Electoral Observatory, the Center provided technical assistance to conduct a parallel vote tabulation (PVT) in 10 of Mozambique's 33 municipalities. The Center's public statements on the municipal elections voiced concerns regarding the accuracy of the voter register and the need for more transparent election administration. The Center also called attention to the uneven observer access to the provincial vote tabulation and the reclassification of invalid votes conducted by the CNE in a closed session. Over the course of 2004, the Center's staff in Maputo remained active, strengthening links with Mozambican civil society organizations, political parties, media, and the electoral bodies while organizing activities in support of the electoral process.

The Center also observed the voter registration in June-July 2004, again voicing concerns regarding the credibility of the computerized voter roll, difficulties in obtaining observer access to critical phases of the process, and regional discrepancies in the registration rate in favor of urban voters over rural voters. At the time, the Center suggested an independent audit of the voter register could help to improve the credibility of the Mozambican electoral bodies.

In early October 2004, the Center deployed nine long term observers to observe the entire process, including the civic education and political campaigns. While the political environment was generally peaceful, some intimidation was observed in certain districts in the Tete, Gaza, and Niassa provinces. The Center was particularly concerned about some police agents who demonstrated partiality and unequal treatment towards opposition party supporters. A climate of secrecy within the CNE, marked by persistent failure to release a definitive list of polling stations indicating the number of registered voters, also was encountered in the provinces, raising questions about the CNE's commitment to observer access.

During the election days, the Carter Center observation mission, headed by former U.S. President Jimmy Carter, his wife Rosalynn, and former President of Benin Nicéphore Soglo, deployed 60 observers from 23 countries throughout the entire country. The delegation leadership met in Maputo with President Chissano and key actors of the electoral process.

While the overall assessment of the election days was positive, the Center made clear in a Dec. 4 statement that the tabulation process was unfinished and a final assessment would be released at a later date. From the nearly 1,000 polling stations visited, observers noted that they were generally well organized. One major incident observed by the Center resulted in the arrest of Renamo party agents and supporters in Angoche, while a similar situation was observed in Quelimane. The Center's observers in Tete found that at least one domestic observer carrying out his PVT duties was arrested in the district of Zumbo and remained unreachable for several days. In 90 percent of the visited polling stations, the Center noted the presence of at least two party agents, though some of the polling stations in Gaza and Tete provinces were observed with only one party agent.

Following three weeks of monitoring post-election processes, the Center released a second interim statement Dec. 21, emphasizing its continuing concerns about the number of irregularities observed during the provincial tabulation, including questionable tally sheet results, serious problems with the software, mismatched numbers of polling stations and tally sheets, and a constant mistrust between political party representatives at the STAE. The newly introduced provision for party and candidate agents to sign and receive copies of polling station tally sheets was a welcome step towards a more accountable results process. However, these copies appear not to have been used as a crosscheck against rejected tally sheets at later stages of the tabulation. No Provincial Electoral Commission released clear information on the final voter list, and software problems resulted in the generation of extra tally sheets, creating confusion exacerbated by vague responses from the electoral authorities. While the explanation for such errors given later by the STAE seemed plausible, their existence created fertile ground for allegations of fraud.

Evidence of serious irregularities in the polling process came to light in several provinces. For example, the Center's observers in the Tete provincial districts of Changara, Chifunde, and Tsangano, as well as in the Niassa districts of Metarica and Marrupa, and in the Gaza district of Chicualacuala found voter turnout percentages suspiciously high and even in some cases, impossibly high (more than 100 percent), leading to the conclusion that ballot stuffing occurred in some of those polling stations. Also notable, the province of Tete had the highest (and unprecedented) voter turnout nationwide (56.25 percent), contrasting with a national rate of 36.4 percent.

Tabulation of final results

The Center has serious unanswered questions about the complete accuracy of the results and the lack of transparency in the CNE's final tabulation. For example, the results did not include a detailed district by district map, and the CNE has poorly explained the reasons for rejected, stolen, or missing tally sheets. Despite assurances to observers that they would be granted full access to a detailed record listing the reasons for rejected polling station tally sheets, this information has not been made available.

The Center has attempted to observe and assess as much of the verification process as possible but has been hindered by a lack of cooperation by the CNE. In November 2004, President Carter requested observer access to national tabulation but was told the CNE plenary sessions are closed. President Carter subsequently requested that observers be present for the CNE review of invalid ballots sent from polling stations to Maputo. Although the CNE initially granted this request, observer access was subsequently restricted to two hours a day. Carter Center observers were able to follow the data entry of computerized results, but the software did not enable searches by polling location. Despite the CNE's assurance to President Carter that observers would be allowed to review a record of the reasons given for rejected tally sheets, the CNE has not produced this record, and the Center has been unable to examine even a sample of rejected tally sheets.

The Center also is alarmed by the apparent lack of interest in the tabulation of results displayed by non-represented political parties and domestic observers. Given the concerns about the credibility of previous election results, the Center expected these groups might have been more assertive about the right to a transparently conducted exercise.

The Center's confidence in the overall election result is based in large part on the successful conduct of Mozambique first national PVT. The Center continued its assistance to the Electoral Observatory throughout 2004 and is pleased the PVT closely matched the official results. Mozambique's domestic election observers are to be congratulated for the conduct of this crucial check on the official results.

Petitions

Four days after the legal deadline, the CNE announced the official election results Dec.21. The electoral law requires election petitions to be filed with the CNE within two days of announcement of results and any appeals to be filed with the Constitutional Council within five days of the CNE's decision.

The main opposition parties, Party for Peace, Democracy and Development (PDD), Independent Party of Mozambique (PIMO), the Enlarged Opposition Front (FAO), the Movement for Change and Good Governance (MBG), and the Renamo-Electoral Union (Renamo-UE), prepared formal election petitions. PDD wrongly presented its petition first to the Constitutional Council and was therefore rejected. PIMO, MGB, and FAO called for the annulment of the elections, but their petitions also were rejected by the CNE.

On Dec. 27, Renamo-UE presented a petition to the CNE calling for new elections within six months. The CNE sent the petition to the Constitutional Council without deliberation. The council considered this action inappropriate and sent the petition back to the CNE, demanding formal deliberation. The CNE finally rejected the Renamo complaint Jan. 3, 2005, which called for new elections within a period of six months. The CNE correctly argued the petition was submitted after the legal deadline.

Following the CNE deliberation and ruling, the Constitutional Council rejected the Renamo-UE complaint on Jan. 15. The council noted the Renamo-UE complaint was submitted after the legal deadline, the alleged irregularities should have been reported at the time and location they occurred, and the petition's content, as presented to the Council, was in fact a new petition, since it differed from the one originally presented to the CNE. On Jan. 12, the Constitutional Council also rejected complaints of the minor parties.

Final results

Although the CNE announced overall results Dec. 21, they were only made publicly available to media and observers five days later. The CNE's final report (acta) was short on details explaining the reasons and origins of rejected tally sheets, and no district results were recorded as required by law. Nonetheless, in Deliberation No. 19 of Jan. 19, 2005, the Constitutional Council validated the results in this form.

The Carter Center welcomes the strong recommendations made by the Constitutional Council, including the generation of a single, national voter register, the proper institutional and professional development of the CNE, a more consistent knowledge of the electoral legislation on the part of the political parties, and the need to create adequate conditions for electoral observation.

Nevertheless, the Center remains concerned that some issues did not receive sufficient attention from the council, including the abuse of public resources by political parties during the campaigns, acceptance of the delayed results from the electoral bodies but no such flexibility being accorded to political parties with late election petitions, and the reluctance of some district level electoral bodies to receive party complaints (especially since the council cited Renamo-UE's failure to submit electoral complaints at the district level as one of the three arguments for rejecting its petition). The council registered its concerns that despite evidence of considerable irregularities, a culture of impunity prevails, and those responsible are not held accountable.

Although the council notes the CNE failed to complete a final tabulation map of district-by-district results for the provinces of Nampula, Manica, Sofala, and Gaza, in clear violation of the electoral law, the CNE is not held accountable for its failure to provide detailed reasons for the rejected polling station tally sheets.

Conclusions

Mozambique is at a critical point in its democratic development. While it is clear the people of Mozambique have endorsed Frelimo and its presidential candidate, Armando Emilio Guebuza, the Center is concerned the enduring problems with the voter register, evidence of serious irregularities and fraud during polling in several provinces, and inadequate transparency of the tabulation process will continue to cast a shadow over Mozambique's democracy.

Democratic leadership that embraces multiparty cooperation and broad participation by civil society could provide a foundation for improved governance in Mozambique. The Center hopes Mozambique's political leaders will take steps to meet this goal and urges them to respond with renewed commitment to electoral reform.

The Center makes these observations with no authority and no intention of intervening in Mozambique's affairs, but in the spirit of supporting democratic development in Mozambique and elsewhere. Ultimately, it is the Mozambican people who will judge the legitimacy of the election and will hold government and officials accountable.



DECLARAÇÃO PÓS-ELEITORAL SOBRE AS ELEIÇÕES MOÇAMBICANAS

O Carter Center reconhece os resultados globais e congratula o Presidente eleito da FRELIMO, Armando Emílio Guebuza. Contudo, o Carter Center conclui que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) não administrou uma eleição justa e transparente em todos os cantos de Moçambique. Os partidos políticos também devem ser responsabilizados, uma vez que são os seus representantes na CNE e no Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE), os quais são responsáveis pelo sucesso ou fracasso das eleições. O Carter Center tentou observar e avaliar o máximo possível o processo de verificação, mas foi impedido por uma falta de colaboração por parte da CNE.

As declarações anteriores do Carter Center que se seguiram às eleições indicavam dias de eleições positivas e pacíficas, mas manifestavam a preocupação em relação à correcção dos cadernos de eleitores, algumas irregularidades durante o processo de votação e de apuramento, e o facto de que não foi disponibilizada aos partidos políticos nem aos observadores a lista contendo os números dos cadernos de registo dos eleitores.

O Carter Center saúda o anúncio do Conselho Constitucional, a 19 de Janeiro, que valida os resultados finais das eleições de 1 e 2 de Dezembro. O anúncio do Conselho sublinha a necessidade de se criarem condições adequadas para a observação eleitoral em Moçambique. Também enfatiza o baixo nível de profissionalismo demonstrado pelas autoridades eleitorais e pelos representantes dos partidos políticos que assumiram papéis nas instituições eleitorais.

Os resultados gerais das eleições não estão em causa, tal como se pode constatar pela grande margem da vitória do partido Frelimo, e confirmada pela recolha de apuramentos parciais (RAP) efectuada pelo Observatório Eleitoral. Contudo, os problemas observados pelo Carter Center poderiam ter tido graves consequências numa eleição ganha por uma margem mais reduzida. Para além disso, o Carter Center continua preocupado com o facto de o Conselho Constitucional ter validado os resultados das eleições nacionais proclamados pela CNE, mantendo as irregularidades que poderiam ter tido um impacto na distribuição dos assentos parlamentares em algumas províncias. Apesar do pedido do antigo Presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter, a 3 de Dezembro, solicitando ao Presidente da CNE Arão Litsure de que os observadores tivessem a possibilidade de proceder à revisão dos editais rejeitados e de ter acesso a um registo detalhado das razões da sua rejeição, o Carter Center não pôde ter acesso a um registo que explicasse as razões da rejeição dos 699 editais das eleições presidenciais e dos 731 das legislativas. A não ser que a CNE apresente provas claras que dissipem quaisquer dúvidas que possam persistir quanto à exactidão dos resultados oficiais, o Carter Center é de opinião que a credibilidade do processo de apuramento continuará passível de ser questionada.

A seguir é apresentado o relatório abrangente sobre as eleições, o qual inclui recomendações para a introdução de reformas ao processo eleitoral. Esta é a quarta e última declaração pública do Carter Center sobre as eleições moçambicanas.

Antecedentes

Em Outubro de 2003, o Carter Center abriu escritórios em Maputo e monitorou as eleições autárquicas realizadas em Novembro de 2003. Em parceria com as organizações membro do Observatório Eleitoral, o Carter Center prestou assistência técnica à realização de uma recolha de apuramentos parciais (RAP) em 10 dos 33 municípios moçambicanos. As declarações públicas do Carter Center sobre as eleições autárquicas manifestaram as preocupações quanto à exactidão do registo dos eleitores e à necessidade de uma administração de eleições mais transparente. O Carter Center também chamou à atenção quanto ao acesso irregular dos observadores ao apuramento provincial, bem como ao facto de a reclassificação dos votos inválidos ter sido efectuada pela CNE numa sessão à porta fechada. Ao longo de 2004, a equipa do Carter Center em Maputo manteve-se activo, fortalecendo as ligações com as organizações da sociedade civil moçambicana, os partidos políticos, os órgãos de informação e os órgãos eleitorais, ao mesmo tempo que organizava actividades de apoio ao processo eleitoral.

O Carter Center também observou o recenseamento eleitoral em Junho - Julho de 2004 manifestando, uma vez mais, preocupações quanto à credibilidade da lista informatizada de eleitores, às dificuldades encontradas para se conseguir o acesso dos observadores às fases críticas do processo e às discrepâncias regionais na taxa de registo a favor dos eleitores urbanos em relação aos eleitores rurais. Nessa altura, o Carter Center sugeriu que uma auditoria independente do registo de eleitores poderia contribuir para melhorar a credibilidade dos órgãos eleitorais moçambicanos.

No início de Outubro de 2004, o Carter Center afectou nove observadores de longo prazo para observarem todo o processo, incluindo a educação cívica e as campanhas políticas. Embora o ambiente político fosse, no geral, pacífico, registou-se alguma intimidação em certos distritos das províncias de Tete, Gaza e Niassa. O Carter Center mostrou-se particularmente preocupado com alguns agentes policiais que demonstraram parcialidade e tratamento desigual em relação aos simpatizantes dos partidos da oposição. Um clima de secretismo dentro da CNE, marcado pela não apresentação persistente de uma lista definitiva das assembleias de voto que indicasse o número de eleitores registados, também foi vivido nas províncias, levantando questões sobre o empenho da CNE em relação ao acesso dos observadores.

Nos dias das eleições, a missão de observação do Carter Center, chefiada pelo antigo Presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter, sua esposa Rosalynn e o antigo Presidente do Benin Nicéphore Soglo, afectaram por todo o país 60 observadores internacionais provenientes de 23 países. A direcção da delegação reuniu-se em Maputo com o Presidente Chissano e com actores chave do processo eleitoral.

Embora a avaliação global dos dias de eleições tenha sido positiva, o Carter Center tornou claro numa declaração do dia 4 de Dezembro que o processo de apuramento não foi concluído e que uma avaliação final seria publicada numa data posterior. Das cerca de 1000 assembleias de voto visitadas, os observadores notaram que, no geral, estavam bem organizadas. Um incidente importante observado pelo Carter Center culminou com a detenção de agentes e simpatizantes do partido Renamo em Angoche, enquanto uma situação semelhante foi observada em Quelimane. Os observadores do Carter Center em Tete confirmaram que pelo menos um observador nacional da Liga dos Direitos Humanos que realizava as suas funções da recolha de apuramentos parciais (RAP) foi detido no distrito do Zumbo e permaneceu incontactável durante vários dias. Em 90% das assembleias de voto visitadas, o Carter Center assinalou a presença de pelo menos dois agentes dos partidos; todavia, algumas das assembleias de voto observadas directamente com apenas um agente dos partidos situavam-se nas províncias de Gaza e de Tete.

Após três semanas de monitoria de processos pós-eleitorais, o Carter Center publicou uma segunda declaração provisória no dia 21 de Dezembro enfatizando as preocupações contínuas do Carter Center em relação ao número de irregularidades observadas durante o apuramento provincial, nomeadamente editais irrealistas, graves problemas com o software, números de assembleias de votos que não coincidiam com os editais e uma falta de confiança constante entre os representantes dos partidos políticos no STAE. A disposição recentemente introduzida segundo a qual os agentes dos partidos e dos candidatos assinam e recebem cópias dos editais das assembleias de votos foi uma medida bem acolhida em direcção a um processo de apuramento de resultados com maior responsabilização. Todavia, estas cópias não parecem ter sido utilizadas para conferir os editais rejeitados em fases posteriores do apuramento. Nenhuma Comissão Provincial de Eleições conseguiu apresentar informação clara sobre a lista final dos eleitores, tendo surgido problemas de software que resultaram na criação de editais extra, criando confusão exacerbada pelas respostas vagas das autoridades eleitorais. Embora a explicação de tais erros apresentada posteriormente pelo STAE parecesse plausível, a sua existência criou um campo fértil para alegações de fraude.

Provas de graves irregularidades no processo de votação foram constatadas em várias províncias. Por exemplo, os observadores do Carter Center nos distritos de Changara, Chifunde e Tsangano, na província de Tete, assim como nos distritos de Metarica e Marrupa, na província do Niassa e no distrito de Chicualacuala em Gaza constataram que as percentagens de afluência dos eleitores às urnas eram de um nível suspeito e até impossível (acima de 100%), facto que leva à conclusão de que houve enchimento de urnas em algumas destas assembleias de voto. Estes incidentes tiveram um impacto importante nos resultados finais referentes à assembleia nacional. De forma notória, a província de Tete possui oficialmente o índice mais elevado (e sem precedentes) de afluência a nível nacional (56,25%), contrastando com uma taxa nacional de 36,4%.

Apuramento dos resultados finais

O Carter Center constatou que existem sérias questões não respondidas sobre a exactidão dos resultados e a falta de transparência no apuramento final da CNE. Por exemplo, os resultados não incluíram um mapa detalhado distrito por distrito e a CNE não tem razões plausíveis para esclarecer devidamente as razões dos editais rejeitados, roubados ou desaparecidos. Apesar das garantias dadas aos observadores de que lhes seria garantido o acesso total a uma lista detalhada contendo as razões para a rejeição dos editais das assembleias de voto, esta informação não foi fornecida.

O Carter Center tentou observar e avaliar o máximo possível o processo de verificação, mas foi impedido por uma falta de colaboração por parte da CNE. Em Novembro de 2004, o Presidente Carter solicitou o acesso dos observadores ao apuramento nacional, mas foi informado de que as sessões plenárias da CNE são à porta fechada. O Presidente Carter posteriormente solicitou que os observadores estivessem presentes na revisão dos votos inválidos feita pela CNE enviados das assembleias de Maputo. Embora a CNE inicialmente tivesse acedido a este pedido, o acesso dos observadores foi posteriormente limitado a duas horas por dia. Os observadores do Carter Center puderam acompanhar a introdução dos dados dos resultados informatizados, mas o software não permitia a busca por localização da assembleia. Apesar das garantias dadas ao Presidente Carter de que os observadores seriam autorizados a registar as razões apresentadas para os editais rejeitados, a CNE não apresentou este registo e o Carter Center não pôde examinar nem sequer uma amostra dos editais rejeitados.

O Carter Center também está alarmado pela aparente falta de interesse no apuramento dos resultados manifestada pelos partidos políticos não representados, bem como pelos observadores nacionais. Tomando em consideração as preocupações relativas à credibilidade dos resultados eleitorais anteriores, o Carter Center esperava que estes grupos se mostrassem mais envolvidos em relação ao direito a um exercício conduzido de uma maneira transparente.

A confiança do Carter Center em relação aos resultados globais das eleições baseia-se, em grande medida, na realização bem sucedida da primeira recolha de apuramentos parciais (RAP) de Moçambique. O Carter Center continuou a sua assistência ao Observatório Eleitoral ao longo de 2004 e está satisfeito com o facto de o apuramento paralelo de votos ter estado muito próximo dos resultados oficiais. Os observadores eleitorais moçambicanos devem ser congratulados pela realização desta verificação crucial dos resultados oficiais.

Reclamações

Quatro dias após o prazo legal estabelecido, a CNE anunciou os resultados oficiais das eleições no dia 21 de Dezembro. A lei eleitoral exige que sejam apresentadas reclamações relativas às eleições junto à CNE dentro de um prazo de dois dias após o anúncio dos resultados e quaisquer recursos devem ser apresentados ao Conselho Constitucional dentro de um prazo de cinco dias após a decisão da CNE.

Os principais partidos da oposição, o Partido para a Paz Democracia e Desenvolvimento (PDD), o Partido Independente de Moçambique (PIMO), a Frente Alargada da Oposição (FAO), o Movimento para a Mudança e Boa Governação (MBG) e a Renamo-União Eleitoral (Renamo-UE) prepararam reclamações formais. O PDD apresentou erradamente a sua reclamação primeiro ao Conselho Constitucional, pelo que foi rejeitada. O PIMO, MBG e a FAO pediram a anulação das eleições, mas também esse pedido foi rejeitado pela CNE.

No dia 27 de Dezembro, A Renamo-UE apresentou uma reclamação à CNE a qual foi enviada, sem deliberação, ao Conselho Constitucional. O Conselho considerou este procedimento incorrecto e devolveu-a à CNE, exigindo uma deliberação formal. No dia 3 de Janeiro de 2005, a CNE finalmente rejeitou a reclamação da Renamo, que exigia a realização de novas eleições dentro de um período de seis meses. A CNE argumentou correctamente que o recurso tinha sido apresentado depois de o prazo legal expirar.

Após a deliberação e a decisão, o Conselho Constitucional rejeitou o recurso da Renamo-UE no dia 15 de Janeiro. O Conselho Constitucional assinalou que o recurso da Renamo-UE foi apresentado depois do prazo legal, que as alegadas irregularidades deviam ter sido reportadas no momento e no local em que ocorreram e que o conteúdo da recurso era, de facto, uma nova reclamação, uma vez que era diferente da inicialmente apresentada à CNE. No dia 12 de Janeiro, o Conselho Constitucional também rejeitou os recursos apresentados pelos outros partidos.

Resultados Finais

Embora a CNE tenha anunciado os resultados gerais no dia 21 de Dezembro, eles só foram disponibilizados publicamente aos observadores cinco dias mais tarde. A acta final da CNE não apresentava pormenores que explicassem as razões e a origem dos editais rejeitados, e nenhuns resultados dos distritos foram registados conforme o exigido por lei. No entanto, na Deliberação nº 19 de 19 de Janeiro de 2005, o Conselho Constitucional validou os resultados nesta forma.

O Carter Center saúda as recomendações feitas pelo Conselho Constitucional, nomeadamente a criação de um único registo nacional de eleitores, o desenvolvimento institucional e profissional adequado da CNE, um conhecimento mais consistente da legislação eleitoral por parte dos partidos políticos e a necessidade de criar condições adequadas para a observação eleitoral.

No entanto, o Carter Center continua preocupado com o facto de algumas questões não terem merecido a devida atenção por parte do Conselho, nomeadamente o uso abusivo dos recursos públicos pelos partidos políticos durante as campanhas, a aceitação dos resultados com atraso dos órgãos eleitorais, mas não se dar nenhuma flexibilidade aos partidos políticos que apresentaram petições com atraso, a relutância, por parte de alguns órgãos eleitorais ao nível distrital, em receber as reclamações dos partidos (em especial uma vez que o Conselho citou a não apresentação, pela Renamo-UE das queixas eleitorais ao nível distrital como um dos três argumentos para a rejeição da sua petição).

Embora o Conselho assinale que a CNE não preencheu um mapa de apuramento final dos resultados distrito por distrito em relação às províncias de Nampula, Manica, Sofala e Gaza, numa clara violação da lei eleitoral, a CNE não é responsabilizada pelo facto de não ter apresentado razões detalhadas para a rejeição dos editais das assembleias de voto.

Conclusões

O Moçambique encontra-se num ponto crítico do seu desenvolvimento democrático. Embora esteja claro que o povo moçambicano apoiou a FRELIMO e o seu candidato presidencial Armando Emílio Guebuza, O Carter Center está preocupado com o facto de que os problemas persistentes com o registo de eleitores, provas de graves irregularidades e fraudes durante a votação em várias províncias e a transparência inadequada do processo de apuramento continuarão a ensombrar a democracia em Moçambique.

A direcção democrática que abarca a cooperação multipartidária e a ampla participação da sociedade civil pode criar as bases para uma melhor governação em Moçambique. O Carter Center espera que os líderes políticos moçambicanos tomem medidas com vista a atingir este objectivo e apela para que respondam à reforma eleitoral com um empenho renovado.

O Carter Center faz estas observações sem intenção de interferir nos assuntos internos de Moçambique, mas com o espírito de apoiar o desenvolvimento democrático em Moçambique e noutros locais. Em última instância, cabe ao povo moçambicano julgar a legitimidade das eleições e responsabilizar o governo e os funcionários.

 

  Please leave this field empty